segunda-feira, 4 de março de 2019

Evangelismo 2.0


Após anos tenebrosos com a guerra fria, depois nas universidades e faculdades americanas, alguém em algum lugar da história ofertou a internet para todos. Entretanto, olhos gananciosos viram na nova ferramenta de comunicação, uma forma de ganhar dinheiro também. E a partir de então, o “www (1)” passou a configurar em nossas vidas.

Com o avanço da internet, empresas, profissionais autônomos, instituições educacionais, todos, queriam participar. Entretanto, a igreja, o corpo de Cristo, não carregaram seus arquivos, pelo contrário, muitos compararam o “www” como sendo um sinal diabólico, com a alcunha de um código, “666 (2)”.

O ato, embora visto por muitos como inocente, acabou afastando por algum tempo a igreja das redes. E nesta demora, sites pornográficos, ateus e toda a horda infernal, faziam upload 3 dos seus arquivos na internet. Já outros, disseminaram o ódio e o amor de Cristo falhava na conexão com os perdidos, no que podemos chamar de conexão perdida, ou um até mesmo um erro 404 (4).

Então uma luz veio e entidades e instituições religiosas passaram a aderir a nova onda. E com o avanço das tecnologias para a web, o mundo virtual agora recebia a graça salvadora de nosso Senhor Jesus Cristo como a disponibilidade de Bíblias virtuais das mais variadas versões. Quanto mais as tecnologias se desenvolvem, mais e mais aplicativos e recursos aparecem a favor do reino.

Tudo isso parece uma utopia, colocar os arquivos “das nuvens” nas nuvens (5). O “ide do Senhor (6)”, alcançando pessoas por todo o mundo. A igreja primitiva do tempo de Jesus Cristo na terra, saiam de dois em dois não levando sandálias, ou capas. Mas hoje, “poderíamos” apenas do quarto de nossas casas, passar por Jerusalém, Judeia, Samaria e chegar até os confins da terra (7) em uma velocidade de transmissão que supera os megabits (8) usados em nossas conexões. E saindo para evangelizar, bastará um celular com conexão à internet e de qualquer lugar transmitir as Palavras do Reino.

Notou o “poderíamos” destacado acima? Pois é, poderíamos. Contudo, embora hoje encontremos muitas facilidades para divulgar a Palavra de Deus, o ato de evangelizar se perde em meio as piadas, anedotas, correntes, filmes, músicas e afins, que muitas vezes, não possuem conteúdo de evangelização.

Não falo da geração da igreja que não cresceu com o celular nas mãos, mas para as gerações de pais que, em virtude do comodismo, compram celulares de última geração para diminuir o enfadonho apelo dos jovens por mais tecnologias, contudo, não educam seus filhos em algo proveitoso para o reino. E embora isto possa ser demais difícil, pedir ajuda aos filhos ou outros irmãos a ensinar a usar as novas tecnologias para que possa se tornar um evangelizador, é no mínimo um ato de amor as vidas, de amor a Cristo.

Mas e a geração “hitech (9)”? Será que além dos jogos instalados, em celular de borda infinita, também tem espaço no seu celular para a Bíblia? Será que a playlist (10) também contém o Hinário da Harpa Cristã? Será que o grupo da família recebe de bom grado as mensagens com passagens bíblicas já que nem todos compartilham da mesma fé?

Conclusão

Ferramentas nós temos. Acesso nós temos. Conteúdo está na rede, disponível para aqueles que não sob um sol escaldante do deserto, mas do seu quarto, ou dentro de ônibus. Não com alforje (11) em outras viagens cheias. Não com garrafas penduradas ao corpo. Não com suas sandálias de couro, mas quem sabe com suas pantufas ou meias de lã. Sim, sim e sim, podemos evangelizar.

Entretanto, na era 2.0 o que realmente nos falta é a vontade de evangelizar. Nos dissipamos como o calor oriundo do gabinete dos nossos computadores, somos lentos, ineficientes, pesados enquanto vidas estão sendo infectadas pelo vírus do engano, pelo malware (12) de satanás.

Talvez você não seja capaz de deixar a sua família, emprego e amigos e carregar os mapas de terras longínquas e visitar não de forma virtual, mas de forma presencial, lugares inóspitos aos cristãos. Talvez, não seja capaz de entregar um panfleto evangelístico na porta de uma casa, mas quem sabe inserir um destinatário no campo remetente. Quem sabe não terá coragem de dizer “Jesus te ama” para alguém pessoalmente, mas poderia usar uma camisa com esta frase e sair por aí levando esperança aos perdidos, glorificando e exaltando o nome daquele que vive e reina pra sempre.

Você é capaz, sim você é capaz! Capaz de dedicar alguns minutos para postar um versículo por dia. Quem sabe, talvez, a sua mensagem possa, pelo poder do espírito santo de Deus, tocar no coração, encher os olhos de lágrimas daquele que receber a mensagem e fazer com que aquela alma possa confirmar, aceitar, pressionar em “Ok” na mensagem da cruz. Portanto, o evangelismo 2.0, embora fascinante, cômodo e simples, não está longe de conectarmos ao amor de nosso criador e Senhor.

Jejum e oração são os anti-vírus (13) na realidade aumentada (14) em que vivemos. Esteja certo por fim, que a nossa luta, seja no mundo real ou virtual, sempre terão como os nossos inimigos os principados e potestades. Mas de nenhuma forma, podemos perder o melhor plano, o melhor pacote de dados, que é o acesso a Deus.

Curta. Compartilhe e comente sobre Deus.

Notas
1. World Wide Web.
2. Número associado a besta (satanás).
3. Disponibilizar arquivos na internet.
4. Página não encontrada.
5. Mesma ideia de upload – já visto.
6. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” Marcos 16:15
7. “Contudo, recebereis poder quando o Espírito Santo descer sobre vós, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra!” Atos 1.8
8. Unidade de medida usada para medir a velocidade da internet.
9 . Geração tecnológica.
10. Lista de músicas.
11. Bolsa.
12. Um código malicioso, programa malicioso, software nocivo.
13. Programa para atacar vírus do computador.
14. Quando as imagens e sons ao seu redor são substituídos por conteúdo virtual.

sábado, 26 de janeiro de 2019

Alma Perdida


E bem ali, diante dos seus olhos, estava a grande porta que levaria a antessala do inferno. Local onde satanás recepcionaria as inúmeras almas perdidas que inaugurariam o local de choro e ranger de dentes (I).

A alma perdida caminhava com as outras em ritmo fúnebre. Cabisbaixa, olhava para os lados com amargura. Tentando de alguma forma enxergar em meio a fumaça que se formava, alguma forma de escapar da ira vindoura. Por certo que já havia passado pelo julgamento do grande trono branco (II), no qual o Senhor dos Exércitos (III), após meticulosa busca, não encontrara o nome daquela alma perdida escrito no livro da vida (IV). Sumariamente condenada, a alma perdida soluçava e copiosamente chorava durante o seu caminhar para o local que ela mesma nunca havia parada para se perguntar: O inferno existe?

Andando pelo caminho largo (V), as filas se formavam e tornava o caminhar mais lento. O que antes eram passadas largas, agora se tornava um estreito de não mais do que dois palmos de terra avante, devido a grande quantidade de almas. Era necessário então, que cada alma colocasse a mão sobre o ombro da alma logo a sua frente.

Temerosas pelo que haviam de enfrentar, as inescusáveis almas que estavam mais a frente, começavam a clamar dizendo: “Senhor, Senhor...”(VI) pois viam logo acima de suas cabeças, nas regiões celestiais (VII), as almas de vestes brancas (VII), reluzentes e elas estavam entoando hinos, abraçavam-se, pulavam e felicitavam-se por terem perseverado até o fim (IX).

A alma perdida agora começava a sentir calor. Sua estrutura, embora incorpórea, voltava a ter sensibilidade e passou a sentir o apertar da mão daquela que estava logo atrás; sobre seu ombro. E por meio de sussurros, ouvia a confissão daquela alma que seria a derradeira a passar pela grande e espaçosa porta.

- Nós expulsamos demônios. Curamos enfermos. Tudo isso fizemos no nome Dele. Mas Ele nos disse: “Apartai-vos de mim (X)”. Como pode? Bem verdade que não segui a risca tudo o quanto Ele ordenara nas Sagradas Escrituras (XI). Mas como eu poderia servir na obra sem ter um carro, sem cobrar por meus serviços? Aquelas almas que não tinham como me pagar, como me recompensariam (XII)?

O sussurro da alma iníqua foi quebrado quando se via, logo de cima de um declive, um espaçoso pátio com o final do caminho da perdição. As almas tenebrosas, se dispersavam e corriam de um lado para o outro. Entretanto, aquelas que corriam para a direita, horrorosamente apareciam a esquerda. As que, esperançosamente corriam para a esquerda, indubitavelmente, surgiam a direita. As atônitas, gritavam e se ajoelhavam, contudo, como acorrentadas, não podiam parar por muito tempo de seguir a diante.

- E tu? O que fizestes para acabar aqui? Perguntou a alma que outrora revelou seu crime.

- Vivia uma vida desregrada. E não foram poucas as vezes que aqueles do caminho (XIII) me alertaram. Quantas vezes bateram em minha porta (XIV) e eu fingia dormir. Quantas vezes me abordaram nas ruas, nos bares com um simples panfleto e de sua boca eu ouvia que Jesus me amava. Confesso que uma vez, bem debilitado de saúde, procurei me livrar de minhas dores e ao templo eu fui. Dias depois, sã eu estava, mas nunca voltei para agradecer (XV).

Agora a alma perdida poderia ver em detalhes, com seus olhos espirituais, aqueles cujas vestes eram mais alvas que a neve. E mesmo ao longe, reconheceu cada um daqueles que o importunaram no meio das ruas. Como um filme que acabara de ver, lembrou de todos que por ele foi chamado de loucos, pífios, perturbadores, arrogantes; insensatos.

A alma perdida agora estava ali, diante da porta do inferno. O calor era intenso. Já ouvia os gritos daqueles que já cruzaram aquele delimitador. A alma que estava logo atrás se colocou ao seu lado e disse:

- Eu lhe juro que eu pensava que todos nós seríamos salvos. Acreditava na misericórdia de Deus.

A alma perdida retorna a caminhar e ultrapassando a porta diz:

- Não demos ouvidos a Moisés; nem aos profetas (XVI). Deus é misericordioso e assim nos demostrou até antes de nossas mortes. Agora o que temos é a sua justiça.

A alma perdida foi então para a eternidade, mas a eternidade em fogo inextinguível, com prantos e ranger de dentes (XVII).

Tomara, sinceramente, que este relato não seja a das nossas almas. Que verdadeiramente, aceitemos a Jesus Cristo como nosso único e suficiente salvador.

Autor: Lucas Filho



Referências Bíblicas

I. Lucas 13.28: “Ali haverá choro e ranger de dentes quando virdes Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora.”

II. Apocalipse 20.11,12: “E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.”

III. Zacarias 7.12: “Sim, fizeram os seus corações como pedra de diamante, para que não ouvissem a lei, nem as palavras que o Senhor dos Exércitos enviara pelo seu Espírito por intermédio dos primeiros profetas; daí veio a grande ira do Senhor dos Exércitos.”

IV. Apocalipse 21.27: “ Nela jamais entrará algo impuro, nem ninguém que pratique o que é vergonhoso ou enganoso, mas unicamente aqueles cujos nomes estão escritos no livro da vida do Cordeiro.”

V. Mateus 7.13,14: “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem”.

VI. Mateus 7.21: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.”

VII. Efésios 2.6: “E juntamente com Ele, nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus.”

VIII. Apocalipse 7.9: “Depois disso olhei, e diante de mim estava uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé, diante do trono e do Cordeiro, com vestes brancas e segurando palmas.”

IX. Mateus 10.22: “Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.”

X. Mateus 7.22,23: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.”

XI. II Timóteo 3.16,17: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.”

XII. Mateus 10.8: “Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, expeli os demônios; de graça recebestes, de graça dai.”

XIII. Salmos 128.1: “Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos.”

XIV.
Apocalipse 3.20: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo.”

XV. Lucas 17.11:19: “E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio da Samaria e da Galileia; E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe, E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós. E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos. E um deles, vendo que estava são, voltou, glorificando a Deu em alta voz; E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano. E, respondendo Jesus, disse; Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? Não houve quem voltasse, para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou.”

XVI.
Lucas 16.27:29: “E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos.”

XVII. Mateus 25.30: “E lancem fora o servo inútil, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes.”

terça-feira, 21 de agosto de 2018

A cor púrpura da luz de Cristo

Muito se fala em reavivamento, mudanças na igreja, perda de membros. Entretanto, muito do êxodo contemporâneo passa pela falta de leitura do que acontece dentro de nossas igrejas. Uma delas é a cor púrpura da luz de Cristo.



Há quanto tempo você congrega em sua igreja? E neste período, houve alguma mudança na aparência da mesma? A cor da cortina, das cadeiras, das paredes? Houve a instalação de alguma nova iluminação? A sonorização mudou? Ou quem sabe a cor do uniforme do coral? Você talvez irá me odiar ao terminar de ler este texto, mas peço que ao menos leia até ao final, pois quem sabe, abrirá a sua mente.

O ser humano e as mudanças

É amplamente sabido que o ser humano é resistente a mudanças. E isto é tão verdade que vou usar a sua vida para lhe mostrar. Imagine-se indo ao culto, entrando na igreja, sentando. Agora, imagine novamente – como se fosse outro dia de culto, você indo ao culto, entrando na igreja, sentando. Percebeu algo padronizado? Você possivelmente sentou-se no mesmo lugar. Pode ser que em outro local o som da pregação não chegue muito bem; pode ser que o frio ou calor naquela área da igreja não lhe agrade, não sei, mas se depender de você, aquela cadeira da igreja deveria ter suas iniciais, só você poderá se sentar ali.

E quando ocorre a mudança, dependendo da natureza dela, nos sentimos frustrados, até parece que a pregação não terá a mesma força, apenas pelo fato de que você sentou em outro lugar.

Continuando o nosso exercício, e se a sua igreja tivesse cadeiras de plásticos e neste culto o pastor fizesse uma surpresa e trocasse todas por poltronas? E você, sentasse na mesma posição? O quanto a mudança atrapalharia a pregação? Acredito que em situações assim, até a força do “glória a Deus” sairia bem mais ecoante pelos corredores da igreja.

O êxodo

Hoje vivemos um verdadeiro êxodo principalmente de jovens para outras igrejas – e até para fora delas. Mais e mais, menos e menos jovens permanecem na igreja original de seus pais. E esta percepção de que, a igreja ao lado é mais jovem, obriga, as vezes, até mesmo os pais terem que acompanhar seus filhos nas igrejas com luzes coloridas, música da Harpa Cristã em ritmo de rock, cultos com fiéis fantasiados por causa de “cultos temáticos”.

Se de um lado temos igrejas tradicionais na Palavra de Deus e nos ensinamentos bíblicos, com seus pastores de terno e gravata e suas pregações cercadas por dezenas de versículos bíblicos, do outro, temos pastores de bermudas e camisas de moda praia com suas pregações baseadas em um único versículo de uma Bíblia na linguagem de hoje e que, propositalmente ou não, inserem mais conteúdo contemporâneo do que “histórico bíblico”. E, se a grande massa de fiéis da igreja sem luzes for de jovens, o que teremos é um culto cada dia mais esvaziado e os remanescentes do êxodo preocupados com seus filhos – aonde estarão?

A cor púrpura da luz de Cristo

Usei este termo: “A cor púrpura da luz de Cristo”, não apenas para chamar a atenção para a leitura do fato de que, nossas igrejas, estão perdendo nossos jovens para o mundo e para igreja que, até que me provem o contrário, rejuvenescem em demasia a Palavra de Deus. E o que poderia ser uma grande vitória da fé cristã, acaba ofuscando a visão do evangelho, trocado também por algumas batidas sonoras mais graves.

Há bom exemplos de igrejas que se reinventam e conseguem manter e até mesmo atrair mais jovens para seus ministérios? Sim, claro que sim. Contudo, há muito mais joio em meio ao trigo. Há muito mais desejo por números do que de fato, conversões genuínas.

A cor púrpura, embora atrativa, poderá ofuscar até mesmo aquele que outrora foi exemplo de um jovem apaixonado pelas Sagradas Escrituras. E se em meio a isto, o gelo seco, e as companhias os satisfizerem, sua visão conturbada verá a Cristo, mesmo Ele - Cristo, não se alegrando com todas as coisas.

Criticar é fácil. Mostre-me a solução!

Sempre que escrevo um texto de crítica relacionada ao cristianismo, não deixo de tentar expôr alternativas as mesmas. Se serão as melhores, não sei. Mas, sei que tudo tem dois lados. E assim como existe o céu, também existe o inferno. Quando temos problemas, temos soluções.

Minha humilde sugestão é que a “cor púrpura da luz de Cristo” seja utilizada em todas as igrejas. Entretanto, nos momentos mais solenes, como a pregação, ela deve ser evitada. Contudo, uma luz branca, suave, sobre a figura do pastor, fornecerá uma visão adaptativa à pregação. Pois ali, naquele ponto de luz, emanará apenas a figura do pastor.

Os irmãos, não ficarão olhando para os lados, pois não saberão ao certo o que está acontecendo ali. As crianças, eximias corredoras, ficarão intimidadas com a escuridão. Os celulares, não serão usados, pois o raio de luz do seu monitor denunciará, fantasmagoricamente, o rosto do pecador.

Nos cultos voltados para a juventude, o uso de mais cores – além da púrpura, poderá ser usada de forma moderada e para propósitos específicos. Pois como se sabe, a ciência da cor poderá transformar um ambiente e colaborar para uma experiência mais sensitiva.

Conclusão

Uso de cores e decoração atraente em uma igreja deveria ir além de datas festivas. Um vaso de plantas no corredor de acesso, cortinas com cores mais fortes – não confundam com cores “cheguei”, poderá mudar a cara da igreja e adaptá-la aos novos tempos em que nossos jovens são atraídos pela luz estranha, mas esquecem-se da verdadeira luz, a de Cristo.

Rogo aos senhores pastores: Prefiram mudar as cores das luzes dos corredores e altar, do que perder membros para igrejas que mais parecem boates – mesmo gospel. Prefiram, receber algum técnico em iluminação e ver o projeto e considerar o bem da sua igreja, do que pregar para um culto de jovens em que, os ainda firmes aos preceitos bíblicos, não falam de sua igreja com zelo, pois a veem com arcaicas.

Vou finalizar com um pensamento que deveria ser a espinha dorsal de todo o texto. Talvez este servo inútil, deveria ter escrito apenas este pensamento, mas, o gemido da alma, não contentar-se-ia. Então, sem mais delongas, grave a frase:

"Não é mudando a cor da luz, que você mudará os princípios bíblicos que tanto honra."

Autor: Lucas Filho

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

A novela, a Bíblia e o perdido

Pixabay
 
Autor: Lucas Filho

Faz tempo que não escrevia um texto meu. Querer negar isto não seria justo. Desejar não escrever, mais pareceria uma loucura. Entretanto, aproveitando as batalhas cardíacas que vivemos, dentre muitas, resolvi escrever este texto para expor a minha opinião sobre um tema controverso para muitos, e para outras que se quer abrem as suas bocas para debater. No final, quem ganha ou quem perde? Cristo!

A novela

O que lhe vem a sua mente quando alguém fala a palavra: novela? Talvez, saudosista, lembre-se de novelas de época, épocas que poderíamos reunir as famílias e assistir histórias destinadas ao herói sem mácula, apenas querendo justiça, ou o amor de um pai por sua família trabalhando arduamente pelo pão de cada dia. Mas hoje, o que vemos? Não, não irei aqui descrever o que vemos, chamarei a sua atenção para o que perdemos. Perdemos a pureza, nomes como Raimundo Francisco, Ana Maria, foram trocados por nomes mais sofisticados voltados aos estrangeirismos das novelas mexicanas. Personagens ambíguos nos quais sempre fica a dúvida se ele é o vilão ou o mocinho. E até parece que a síndrome de “Darth Vader” há tempos rompeu as viagens interplanetárias e pousou em nossas televisões aonde vemos claramente pessoas torcendo pelo vilão ou ao menos não pondo nele a culpa de seus pecados.

E, a medida que os anos foram passando, esvaiu-se a vergonha. Antes, beijos não mais do que três segundos, hoje, corpos nitidamente nus, alcançam picos cada vez maiores de audiência tupiniquim. “É a realidade!” – dizem eles… Não na minha casa. Não fico de abraços inefáveis com minha esposa na vista dos meus filhos. Mas diferente do que eu penso, muitos pais abrem a janela do circo de horrores do horário nobre.

Jesus

“Jesus”, é o título da novela em questão, o motivo pelo qual me sentei diante desta página em branco para preencher com um pouco de texto sobre a importância – ou não, de termos uma novela com tema bíblico em nossa casa. Entretanto, antes de entrar no mérito da questão, me permita discorrer um pouco sobre a novela em si.
A novela está sendo escrita por Paula Richard, a mesma que escreveu as novelas Os Dez Mandamentos e O Rico e Lázaro. Embora se tenha muito material a ser escrito – vide Bíblia, a autora declarou que algumas interações seriam necessárias para embasar a história.
A gente criou histórias para as pessoas. Por exemplo, Judas Tadeu, não se sabe nada sobre ele, então a gente criou uma história. Simão Zelote, também não tinha nada, então foi criada uma história bacana para ele. Então é aquela coisa, faz as ligações, por acaso Simão Zelote tem que ser irmão de Barrabás. O pessoal vai achar que está na Bíblia. Não está na Bíblia, mas também não está que não era. O respeito à Bíblia é total, agora, o que não tem lá a gente inventa”, declarou Paula.
Só esta declaração poderia desmoronar qualquer expectativa de termos uma novela 100% fiel a Palavra de Deus. Entretanto, não tire conclusões precipitadas, leia esta postagem até o fim.

Não estou acompanhando fielmente todos os capítulos, mas algo que eu vi foi uma cena que no início poderia chamar de heresia. Maria e José já estavam bem, o anjo já havia consolado José e ele e Maria estavam dormindo. Eles acordam com um barulho e quando José se apronta para sair da casa que estavam, Maria o alertou sobre fumaça. A casa estava sendo incendiada por homens que moravam nas proximidades. O motivo, o “adultério” de Maria. Podemos então ler na Bíblia que nada disto está escrito, mas vamos fazer uma análise da cultura do povo e região que viviam naquela época.

O adultério era algo odiado pelo povo, tanto que mulheres flagradas em adultério eram apedrejadas. Mas, se o marido a aceitou deste crime, como o povo reagiria? Bom, na surdina da noite, quando dormiam, será que um radical não poderia simplesmente ir até a casa deles e tentar matá-los? Claro que sim.

Uma outra coisa a levar em consideração é a licença poética:
De acordo com o dicionário Houaiss, o termo “Licença Poética” é definido como:
liberdade de o escritor utilizar construções, prosódias, ortografias, sintaxes não conformes às regras, ao uso habitual, para atingir seus objetivos de expressão”. Está presente na literatura, música e também nas propagandas.
Fonte: https://www.infoescola.com/literatura/licenca-poetica/

Católicos repudiaram veementemente a cena do nascimento de Jesus. O motivo? Maria gemeu de mais com dores de parto e, segundo a tradição católica, ela não sentiu dor. Veja que coisa, a mensagem da morte de Cristo pode não alcançar mais pessoas pelo fato de a personagem representar o nascimento de Cristo com dores de parto. Coloque isto em “uma balança” e veja a importância de cada uma delas e tome a sua opinião.

Quem algum dia sentou para escrever um texto, principalmente ficção, faz muito uso disso, ou será que nunca leu os livros (assistiu aos filmes) das Crônicas de Nárnia? Ou será que nunca leu o meu livro A Cidade? (clique aqui). Observe que a citação da autora, mais acima nesta postagem, está em acordo com o escrito agora sobre licença poética.

A Bíblia

Sou péssimo em decorar livros, capítulos e versículos da Bíblia, reconheço isto. Talvez me falte mais leitura ou um curso de memorização. Mas isto não quer dizer que eu não saiba de nada. Nem troque meus momentos com Deus em detrimento a coisas que não edificarão a minha fé. Mas o que eu quero é que você caro leitor, entenda o meu ponto de vista em relação não a novelas de uma forma geral, mas novelas, filmes, mini-séries que trazem uma mensagem, um insight, sobre Deus. Veja a passagem que está em Filipenses 1:18:
Mas, que importa? O importante é que de qualquer forma, seja por motivos falsos ou verdadeiros, Cristo está sendo pregado, e por isso me alegro. De fato, continuarei a alegrar-me,

Filipenses 1:18
"Mas que importa? O importante é que de qualquer forma, seja por motivos falsos ou verdadeiros, Cristo está sendo pregado, e por isso me alegro. De fato, continuarei a alegrar-me" [...]
Entretanto, isto não é desculpa para unir trevas e luz. Mas será que a novela só terá heresias? Será que Jesus na verdade vai aparecer casado com Maria Madalena e fugiu com ela não ressuscitando ao terceiro dia? Bem, acredito - e espero, que não.

Vou indicar um exemplo prático. Você tem nove irmãos que moram em cidades e/ ou bairros diferentes e distantes um dos outros. Você, por mais que ame todos eles, não teria como ficar em suas casas de segunda a sexta, durante duas horas, explicando a vida de Jesus do seu nascimento até a sua ressurreição. Os motivos são vários: a distância, o recurso financeiro, o seu tempo e o tempo deles e o mais agravante: se eles iriam lhe receber para falar só sobre isso.

Mas se eu lhe mostrasse que tem uma forma de você evangelizar não só este pequeno grupo mais sim centenas, milhares de pessoas ao mesmo tempo em diversas partes do Brasil do norte a sul? Como? Arrebatamento? Não. Indicação. Divulgando a novela, por mais que fantasiosas micro-histórias possam não aparecer relatadas na Bíblia, a essência estará lá: Jesus Cristo morreu para nos salvar.

O perdido

O perdido, é aquela pessoa que não aceitou a Cristo como seu único e suficiente salvador. É aquele que diz: “Mas eu já tenho Deus no meu coração”, todavia, não consegue abandonar o pecado. Perdido é aquele que já até pode ter lido a Bíblia, mas se a Bíblia não está sendo vivida, pode ler até mais umas duzentas vezes que de nada vai adiantar. Perdido, é aquele que conhece a Cristo de “ouvir falar”, mas nunca teve uma experiência verdadeira e profunda com Ele. Perdido é aquele, que nasceu em uma determinada religião e bate de pé junto que não mudará, este não faz isto, pois tem medo de que seus pecados sejam “visto” por Deus; ledo engano, Deus tudo vê.

Então façamos uma estratégia. Indique a novela para quem deseja evangelizar e aos poucos vá evangelizando levando os temas apresentados na novela. Por exemplo, Maria gemeu ou não na hora do parto? Bem, está pergunta está na mesma categoria da “E Adão, tinha ou não umbigo?”. Ou seja, perguntas que não influenciarão para a salvação de ninguém.

Indicando a novela e indo visitar a pessoa no final de semana, ou mandando uma mensagem indicando o que está ou não na Bíblia nos capítulos que passaram, você poderá, estando em oração sempre, discipular melhor aquela pessoa.

Será ótimo também para aquelas pessoas que não enxergam bem a Bíblia que tem, ou não tem Bíblia, ou não sabem ler, ou tem preguiça de ler, ou se atentam mais a estímulos visuais. Perceba que a aplicação deste recurso – novela, filme ou algo do tipo, pode ser uma benção na mão de evangelistas e discipuladores que encaram o “Ide” não como um favor a Deus, mas um prazer inenarrável em fazer parte da salvação de uma alma.

Conclusão

Nós, evangelistas, temos que usar de todas as nossas forças para levar o evangelho de Cristo aos perdidos. Lembrei muito de uma das parábolas encontradas na Bíblia quando comecei a escrever esta postagem: A parábola do mordomo infiel (Lucas 16.1:13). Nela um mordomo sabendo que seria expulso da casa do seu senhor, logo maquinou uma maneira de ser aceito em outras casas. O versículo chave para esta passagem é:
E louvou aquele senhor o injusto mordomo por haver procedido prudentemente, porque os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz.
Ora, se as novelas estão aí para levar o pecado para a nossa sala, que tal aproveitarmos “uma novela” para evangelizar? Será que Deus nos puniria por isso? Se sim Jesus usava de parábolas para ensinar ao povo, o que nós fazemos? Seremos aqueles que ficam em pé lendo versículo por versículo repetindo a frase: “Jesus te ama e tem um propósito na tua vida!” eternamente? Claro que não. Ser criativo, inovando a cada mensagem – não distorcendo, inovando; adequando ao público que o ouve é certamente o melhor evangelismo.

Lembro da primeira vez que entrei em um bar e falando com um grupo que estava sentado à mesa, pedi para que um deles me desse uma dose (um copo com cachaça). Não sei quem ficou mais apático, se o homem que eu pedi ou os outros irmãos que nunca me viram fazer isto. Depois usei de uma dinâmica e ao final o sorriso constrangido daquele homem entendendo a mensagem do que era pecado foi gratificante.

Ou da outra vez que, também em um bar, consegui parar um jogo de sinuca e os que estavam ali, reorganizaram as cadeiras para ouvir um irmão louco (eis-me aqui), comparar a nossa vida como uma mesa de sinuca sendo Jesus a bola branca, o taco nossa oração, que quando com fé é usada ele – Jesus, joga todos os nossos pecados para o buraco. Será que vou para o inferno por ter feito esta comparação? Ou será que lá, no livro da vida, estará a frase de um dos jogadores que disse: “Irmão, eu hoje, depois de muitos anos, entendi o que esta passagem quer dizer.”

Portanto meu amado irmão e irmã, se desprenda do conformismo, o evangelismo é muito maior do que muito o que aprendemos na vida. Não estou dizendo que deixe a sua Bíblia de lado, isto nunca, jamais. Digo que pegue a sua Bíblia e vá atrás de levar a Palavra de Deus aos perdidos, mesmo que tenha que sentar ao seu lado para assistir uma novela.

Que a graça de Deus seja convosco. Amém.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

DIP 2018 - Domingo da Igreja Perseguida

E a sua igreja, já se cadastrou para o DIP? Está se aproximando o DIP - Domingo da Igreja Perseguida, e temos que realizar o nosso cadastro o quanto antes, principalmente por conta da greve nos Correios.


A Portas Abertas está com olhos voltados para a Índia e deseja comunicar a realidade dos cristãos per seguidos do país para a igreja brasileira.

A Índia está localizada no Sul da Ásia. O país tem como litoral o Mar da Arábia e a Baía de Bengala. Os países com os quais faz fronteira são: Bangladesh, Butão, China, Mianmar, Nepal, Paquistão e Sri Lanka. A população nacional é de 1,3 bilhão e é a segunda maior do mundo. Os cidadãos do país são chamados de indianos.

Em meio a uma cultura diversa e multicolorida, 80% dos indianos seguem o hinduísmo. Lá, os cristãos são uma minoria, apenas 2,3% dos indianos seguem a Jesus. Índia é o 11° colocado na Lista Mundial da Perseguição 2018. Nos últimos anos, a intensidade da perseguição e discriminação contra cristãos aumentou bastante. A prova disso é que a Índia subiu da posição 15 para a posição 11 em apenas um ano. Apesar de a legislação do país garantir liberdade de religião e crença, existem movimentos nacionalistas que desejam afastar do país toda a influência ocidental – como o cristianismo – propagando a ambição e o orgulho de serem uma nação totalmente hinduísta e tradicional. A esse movimento damos o nome de hinduização. Ser hinduísta faz parte da identidade e da tradição indiana. Assim como no islamismo, os que deixam a tradição para seguir a Jesus enfrentam grandes consequências. Nesse contexto, os cristãos se tornam “diferentes e inconvenientes”, pois não negam a Cristo e deixam de participar dos cultos e rituais milenares do hinduísmo.

Fonte: Portas Abertas (Apresentacao-india-roteiro.pdf, pg.: 01).

Como posso ajudar?
Existem diversas formas de ajudar, veja algumas:

:: Cadastre a sua igreja - você pode cadastrar a sua igreja no site do evento:
01 - Acesse: https://www.portasabertas.org.br - clique em, Cadastro.

Importante: Se você não é o pastor da igreja, a primeira coisa que você precisa fazer é solicitar a autorização dele para a realização do DIP 2018. Também alguns dados da igreja serão solicitados como CNPJ ou CPF do responsável pelo cadastro além do endereço completo.


02 - Talvez o seu cadastro anterior possa estar desatualizado, se for o caso - ou novo no DIP, clique em: Cadastrar:


03 - Comece a preencher as telas do formulário de cadastro. Veja que são apenas 03 etapas.


04 - Após a conclusão do cadastro e verificação do seu email, acesse novamente o site do DIP e clique em: Área restrita. Insira seu e-mail ou CPF, sua senha - criada durante o cadastro e em Entrar.
Você terá acesso a um excelente material de apoio para o DIP como modelos de banners, capas para o Facebook, vídeos, ideias de atividades e muito mais - Área DIP.


Agora que já sabe como cadastrar a sua igreja, veja outras formas de ajudar no DIP:

:: Orando - todos nós cristãos sabemos que no momento em que algo para Deus é organizado, forças malignas se levantam contra todos. Portanto, é de suma importância que os cristãos - mesmo aqueles que não vão participar diretamente do evento, possa orar para que tudo o que foi planejado aconteça sob a graça de Deus.

:: Ajudando na divulgação - na Área DIP, como já comentei, tem muito material para ser usado por você e por todos os membros de sua igreja. Alguns de nós, quando nos deparamos com a morte de algum artista, de alguma causa, logo mudamos a nossa foto de perfil, nossa capa nas redes sociais e afins. Mas porque não podemos fazer isto para divulgar o DIP? Pense nisso, com certeza, Deus se alegrará deste nosso ato, afinal, são seus filhos, nossos irmãos que estão padecendo.

Bem, por enquanto eu acho que já deu para você começar a engajar-se no DIP. Mas se não for pastor, ou ocupar cargo de destaque na sua igreja, acredito que a Missão Portas Abertas vai poder lhe encaixar em alguma atividade para ajudar no DIP. Então deixo aqui os contatos deles para que você possa oferecer a sua ajuda.


Caso deseje alguém da própria Missão Portas Abertas para participar do evento em sua igreja, entre em contato com a missão. Ela terá o maior prazer em indicar alguns dos seus voluntários espalhados por muitas cidades para, quem sabe, lhe atender.

Contatos

Endereço: Caixa Postal 18.105 CEP 04626-970 São Paulo/SP
Telefone: +55 11 2348 3330 / 2348 3331
E-mail: falecom@portasabertas.org.br
Face: https://www.facebook.com/mportasabertas
Instagram: https://www.instagram.com/portasabertasbrasil/
Twitter: https://twitter.com/mportasabertas
YouTube: https://www.youtube.com/user/missaoportasabertas


Missão Portas Abertas: https://www.portasabertas.org.br/


Use a vontade

Capa Facebook (editado para perfil pessoal) - divulgação DIP.


Capa Facebook - divulgação DIP.
Convite para cadastra a igreja ou postagem em redes sociais.
Capa Facebook - pedindo orações.
Que a paz do Senhor esteja com todos.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Harpa Cristã - Qual o seu hino preferido?

Olá, gostaria de sua ajuda. Qual o seu louvor preferido da Harpa Cristã? Tomei como base a minha bíblia evangélica que contém 636 hinos. Esta pesquisa servirá para criar materiais de divulgação da Palavra de Deus. Ao final, se tiver tempo, por favor insira as informações sobre você e o seu ministério.




O resultado desta pesquisa e de outras que farei estarão disponibilizados no meu blog:
http://revistaevangelico.blogspot.com e no meu face: www.facebook.com/revistaevangelico

Obrigado por sua ajuda. Que Deus lhe abençoe.

Acesse a pesquisa clicando aqui!

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Jesus Noel

Recebi de um irmão (de fé) um vídeo de uma canção que tinha como enredo: "aonde está a fila para ver Jesus Cristo". A canção me tocou bastante e resolvi escrever este texto falando justamente sobre Ele, o "Jesus Noel".



O sentido do natal

Se procurar pouco, achará muitos textos sobre o verdadeiro sentido do natal. Talvez, o que não encontre é este sentido dentro de sua casa, na ceia com a família; nos shoppings e nas ruas de sua cidade. Permita-me então, mostrar a você, a minha visão do que é o natal.



No natal comemoramos o nascimento de Jesus Cristo. Não em um, como dizemos: berço de ouro, mas sim em uma espécie de curral. Ora, como pode o filho de Deus, rei dos reis e senhor dos senhores, digno de toda honra e toda glória, nascer ali, num curral; quem sabe, em meio a esterco de cavalos? Sim, os presépios não mostram isso. Mas o que Deus nos mostra é que, não importa como nascemos, podemos ser um dos maiores ícones do mundo, ou quem não desejar tanto, ser um exemplo para a sua família - mesmo que comece isto aos 30 anos.

O bom velhinho

Não quero aqui discutir sobre forças além de nossa compreensão. Mas não posso deixar de alertar pela comercialização da imagem do "bom velhinho", o Papai Noel que encanta crianças, jovens e adultos por todo o mundo. A magia do natal em cores fortes, luzes de neon e músicas que desde a nossa tenra idade nos acompanham, nos faz esquecer um pouco de nós mesmos e ficarmos suscetíveis a fazer o bem.



A hipocrisia não se apresenta a nossa face quando olhamos o nosso ser natural repleto de amor e compaixão naqueles 40, 30, ou quem sabe naqueles 07 dias - pode ser nas 24 horas, em que nos encontramos tocados pela data festiva. Assim, o querer ajudar ao próximo vira quase que uma luta. E ainda tem aqueles que, movido de compaixão, compram um panettone para o seu irmão (digo de sangue) afim de iludir a si mesmo, na doce loucura de está ciente de fazer o bem, afinal, aquele irmão (reitero, de sangue), é o menos afortunado da família.

Mas voltando ao "bom velhinho", recentemente levei minha filha para ver o Papai Noel de um dos shoppings aqui da cidade de Fortaleza, Ceará. A fila, longa como se esperava, era vista com desdém pela gerente da loja cuja a barreira de pais e seus filhos ocultavam a vitrine de seu estabelecimento. Solicitando que o segurança do shopping afastasse a fila para longe de sua empresa, finalmente, quando o hábil segurança motorizado reorganizou a fila, pude notar no rosto daquela gerente o brilho no olhar e o sorriso do espírito de natal que ela almejava: "Pronto. Agora venderei mais!"

Pode soar estranho uma crítica sobre o natal de alguém que leva a filha para ver o Papai Noel não é mesmo? Minha filha, Ananda, de 04 anos, ainda não me tinha revelado um segredo que, minutos antes dela ir ver o "bom velhinho", me falaria. Ao ser indagada o que pediria ao Papai Noel, Ananda disse:
- Quero primeiro reclamar que os presentes estão muito caros e as pessoas estão sem dinheiro para comprar!
- É mesmo minha filha? E o que vai pedir? - Perguntei.
- Uma máquina para fazer sorvete de massinha.


E depois de alguns segundos, ela me olha enquanto eu pensava no preço que o tal presente do "Papai Noel" me custaria, ela me chama para falar ao meu ouvido e diz:
- Papai, eu sei que é o senhor e a mamãe que vão comprar e que o Papai Noel é de mentirinha.

Pronto, nova etapa conquistada: Como dizer para seu filho (a) que Papai Noel não existe?

Jesus Noel

Faça agora, um comparativo entre Santa Claus (Papai Noel) e Jesus Cristo, o qual o chamarei, respeitosamente, de Jesus Noel.

Jesus Noel não usa gorro. Em sua cabeça, há uma coroa de espinhos. A cor vermelha não é devido ao cetim, mas ao seu sangue provocado pelos espinhos que, segundo alguns historiadores, poderiam ter entre 2 e 3cm.

Jesus Noel não tem casaco de frio em predominância de vermelho. A cor avermelhada fora devido também ao seu sangue devido as chicotadas e a lança transpassada lá na cruz. Entretanto, esperamos a sua volta vestido sim de branco, tão alvo como a neve, resplandecente, dentre as nuvens.

Ele, Jesus Noel, não usa botas pretas engraxadas. Mas sim alpargatas, que João Batista, a voz do que clama no deserto, diz-se indigno de desatá-las (1 João 1.19:28).

Jesus Noel não desce por chaminés, mas sim ele está a porta e bate (Apocalipse 3.20), esperando o convite para cear, isto independente se será peru, frango ou farofa de ovos.

A sua viagem não é dentro de um trenó puxado por renas, mas sim, sobre querubins (Salmo 18.10), visitando todos os lares não apenas na viração do dia, mas todos os dias, esperando encontrar alguém pedindo o maior e melhor dos presentes.

O saco de presentes de seu infame imitador, é trocado por seu coração. E, a despeito dos exigentes presenteáveis, todos os presente que Ele traz consigo tem o mesmo volume, altura, comprimento e peso. O melhor e maior dos presente, a saber: A vida eterna.

Onde está Jesus Noel?

Olhe ao seu redor quando passear pelas ruas enfeitadas e tente achá-lo. Talvez veja uma grande fila e espichando o seu pescoço possa desejar vê-lo ali, contudo, em vão será sua atitude. Quem sabe, na confraternização de sua empresa, afinal, passamos um ano difícil. Mas não, Ele provavelmente não estará por lá.



Eureka! A festa de natal de minha casa! Meus amigos mais próximos, meus parentes, mesmo aqueles que não os vejo há tanto tempo, afinal, fará 01 ano desde a última ceia de natal. E na hora combinada, cearemos... mas espere um pouco, todos já estão comendo e bebendo. Alguns até já trocam os olhares, não como os apaixonados, mas pelo efeito do vinho, da cerveja ou quem sabe da cachaça.

Olhe para os lados, veja a sua decoração de natal, procure a cruz. Mas não a cruz com um Cristo pregado, esta cruz mostra a sua morte. Mas procure a cruz sem ter um cristo preso a ela. Esta cruz, mostra um Cristo ressuscitado, que venceu a morte pois ao terceiro dia ressuscitou e antes de ir para os céus, para junto do Pai, disse: 
"Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar." (João 14.2)
E deixou-nos uma promessa:
"Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora.[...]" (Apocalipse 20.22)

O que fazer?

Não sei como, nem o local que irá passar a note do dia 24 de dezembro. Não sei se a sua ceia será farta ou se por algum motivo, a comida estará escassa. São muitas variáveis para definir tudo isto. Entretanto eu tenho uma certeza, um apelo ou talvez até seja interpretado como um pedido. Ore. Sim ore antes de sua ceia de natal. Reúna seus familiares e amigos, deem as mãos e orem. Peçam para que Deus derrame as suas bênçãos sobre cada um que ali está. Mas não só para os que estão contigo. Peça pelos menos afortunados, desempregados, pelas mães e pais que no dia 25 de dezembro estarão enterrando seus filhos e não preparando o almoço com a sobra do jantar da noite passada.

Saiba que, o maior presente que alguém pode receber não pode ser dado por você, mas por aquele que vive e reina para todo o sempre. Aquele que é fiel para cumprir a sua promessa de um dia surgir no céu para levar todos aqueles que confiaram Nele. Que seguiram seus mandamentos e estatutos. Aqueles que acreditaram em sua ressurreição e que aguardam a sua vinda.


Conclusão

O Jesus Noel é infinitamente incomparável ao Papai Noel, por sua forma, força e importância. Mas o trocamos por bolos de chocolate, salgadinhos, e conversas fiadas e o natal, o nascimento de Cristo, fica para segundo plano. Quem sabe no último dia do ano que se aproxima, você faça a promessa de ser uma pessoa melhor, quem sabe abandona seus vícios, quem sabe perdoa aquele que lhe ofendeu.

Ora, ainda tem aqueles que se escondem atrás de ídolos transformando estupidamente a criatura em criador. Mas não foi este o motivo pelo qual Deus deixou seu povo vagando pelo deserto por 40 anos? Depois casaram-se e se deram em casamento, pervertendo a vontade de Deus em relações imorais que concatenou na ira de Deus que derramou um dilúvio sobre a terra?

E mesmo assim, depois de tudo isso, deu seu único filho para que todo "aquele que Nele crê não pereça mas tenha a vida eterna" (João 3.16), mas nos preocupamos muito mais nas roupas que usaremos na fatídica festa do que na salvação da nossa alma anunciada pela morte de nosso redentor.

Enfim, o texto aqui escrito, não tem a intenção em ofender ninguém, nem seu credo, sua posição social ou qualquer outra coisa. Contudo, se isto fizer com que você possa repensar no motivo pelo qual comemoramos o natal, já me dou por satisfeito.

Que Deus e nosso Senhor Jesus Cristo abençoe você e toda a sua família e que o "bom salvador" visite a sua casa não descendo pela chaminé, mas sim batendo a porta do seu coração.

"Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim." (João 14.1)